FGTS pode ser usado para dar lance ou amortizar parcelas de consórcio de imóveis

O consórcio apresenta diversas vantagens ao consumidor que opta por esta modalidade de crédito, e é por isso que ela tem sido a escolhida por muitos brasileiros quando planejam adquirir um bem. Um dos segmentos com maior índice de procura é o de imóveis, com planos e prazos para os mais diferentes orçamentos e bolsos.

No Consórcio Luiza, empresa do grupo Magazine Luiza, há crédito de imóvel a partir de R$ 55 mil até R$ 400 mil, com prazo de até 200 meses. Nele o consumidor pode adquirir o imóvel antes da quitação total das parcelas e se planejar, ao longo dos meses, para conseguir a carta de crédito por meio de lances que podem contar com o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), recursos próprios ou ainda ser contemplado nos sorteios realizados mensalmente. Com a carta em mãos, ganha o poder da negociação do imóvel à vista, mesmo continuando a pagar o bem parcelado.

De acordo com Edna Honorato, diretora do Consórcio Luiza, essa modalidade, de usar o saldo do FGTS para dar lance no consórcio, ou ainda de abater no total do débito, é uma ótima opção para quem busca uma forma segura e vantajosa de comprar a casa própria.

O Fundo de Garantia, um direito dos trabalhadores com carteira assinada, é depositado mensalmente pelo empregador e pode ser usado tanto no lance quanto na amortização da liquidação do saldo devedor a cada dois anos, ou ainda para pagar parte do valor das prestações – em até 80% no valor da parcela por 12 meses.

O consórcio de imóveis tem ainda outra vantagem, a de ser um sistema de educação financeira que ajuda as pessoas a lidar de forma mais sensata com o dinheiro, proporcionando a elas adquirir bens, muitas vezes, difíceis de serem alcançados de outras maneiras.

No Consórcio Luiza há ainda um grande diferencial em relação ao mercado, que é o fato do contrato de compra e venda ter força de escritura pública porque respeita a lei de alienação fiduciária, ou seja, o consorciado deixa de ter uma despesa com a emissão da Escritura Pública de Compra e Venda no Cartório de Notas, havendo a necessidade apenas do registro do contrato de compra e venda no Cartório de Registro de Imóveis.

“Sabemos o quão importante é a realização do sonho da casa própria para o brasileiro, por isso no Consórcio Luiza trabalhamos de forma séria, atendendo da melhor forma nossos consorciados para solidar seus sonhos. O consorciado não tem custo com taxas adicionais para avaliação do imóvel, como em muitas administradoras que têm a taxa extra”, explica Edna.

Informações: www.consorcioluiza.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado